Vice-presidente da FINA implicado em caso de corrupção

  •  
  •  
  •  

O jornal britânico The Times revelou, esta quarta-feira, a gravação de uma conversa do vice-presidente da Federação Internacional de Natação (FINA), Husain Al Musallam, em que o dirigente reclamaria “comissões” de 10% sobre futuros patrocínios.

Na gravação, o dirigente do Kuwait, que é também diretor-geral do Conselho Olímpico Asiático (OCA), pede um pagamento de 10% do dinheiro de futuros patrocínios, orçados em vários milhões de euros.

As declarações reveladas pelo The Times foram recolhidas no seio de uma conversa com um representantes chinês, e surgem quando o congresso da FINA decidirá, no sábado, o próximo presidente, em que é esperado que Al Musallam seja reeleito ‘vice’ sem oposição.

A OCA explicou, em reação à publicação do The Times, que sabia da existência da gravação, mas que não foram pedidos nem efetuados quaisquer pagamentos a nenhum funcionário.

Al Musallam foi autorizado a recandidatar-se à vice-presidência da FINA, apesar de a Federação de Natação do Kuwait estar suspensa desde outubro de 2015, por interferência governamental na gestão do desporto, sendo que integra ainda a Comissão da Solidariedade Olímpica do Comité Olímpico Internacional (COI).

O órgão olímpico esclareceu que fez chegar as alegações à sua Comissão de Ética, depois de ter dito, anteriormente, que estava em contacto com a FINA, a FIFA e a OCA em relação aos dois casos em que o dirigente está implicado.

Em abril, o diretor geral da OCA desde 2005 foi implicado num caso de um suposto suborno pago ao presidente da Federação de Futebol do Guam, Richard Lai.

Lai tinha dito, perante o tribunal federal de Brooklyn, nos Estados Unidos, que recebeu subornos através da OCA para salvaguardar os interesses do futebol do Kuwait.

O organismo que regula a natação mundial reagiu à implicação, explicando que “não houve um caso a responder baseado na informação que está disponível à FINA de momento” em relação às ligações com Richard Lai.

As declarações surgem depois de, em maio, a FINA ter garantido que ia “tomar todas as medidas necessárias” para tratar do caso, mas disse hoje que “não houve qualquer quebra dos regulamentos”.

Mais de 10 mil leitores não dispensam o Chlorus.
Fazer jornalismo de Natação tem um custo e por isso
precisamos de si para continuar a trabalhar e fazer melhor.
Torne-se nosso assinante por apenas 12€ por ano e
tenha acesso a todos os conteúdos Premium.



Comentários