Rússia imperial sagra-se bicampeã do mundo de juniores femininos

  •  
  •  
  •  

A Rússia sagrou-se este domingo, no Funchal, bicampeã do mundo de juniores femininos ao vencer na final a Holanda por 11-5 com os parciais de 5-3, 2-0, 2-2 e 2-0.

Depois de um percurso imaculado até à final, as russas confirmaram o favoritismo e não vacilaram no jogo decisivo, ante uma formação holandesa sem argumentos para rebater o imperialismo russo.

Polina Kempf (Rússia), com quatro golos, foi decisiva no triunfo da seleção de leste.

Este é o terceiro título mundial de juniores femininos conquistado pela Rússia, depois de Khanty-Mansiysk (Rússia) em 2009 e Volos (Grécia) em 2017.

Na discussão pela medalha de bronze, a Itália levou a melhor sobre a Grécia com um triunfo tangencial por 9-8.

A Espanha garantiu o quinto lugar ao vencer os Estados Unidos por 10-9, enquanto a Hungria derrotou a China por 12-7, numa partida bem dirigida pelo árbitro português Eurico Silva, tal como ocorreu em todo este Mundial, naquela que foi a sua estreia em competições FINA.

Recorde-se que Portugal foi 16.º e último classificado na competição.

Simone Van de Kraats (Holanda) foi distinguida como a Melhor Jogadora do Mundial.

Margarita Pystina (Rússia), com 21 golos, recebeu o troféu de Melhor Marcadora, enquanto a Melhor Guarda-redes foi Evgeniia Golovina (Rússia).

Clique aqui para ver todos os resultados/classificações.

Classificação:

1.º Rússia

2.º Holanda

3.º Itália

4.º Grécia

5.º Espanha

6.º Estados Unidos

7.º Hungria

8.º China

9.º Austrália

10.º Canadá

11.º Brasil

12.º África do Sul

13.º Japão

14.º Nova Zelândia

15.º Cazaquistão

16.º Portugal

Créditos da foto: Duarte Paulini

Mais de 10 mil leitores não dispensam o Chlorus.
Fazer jornalismo de Natação tem um custo e por isso
precisamos de si para continuar a trabalhar e fazer melhor.
Torne-se nosso assinante por apenas 12€ por ano e
tenha acesso a todos os conteúdos Premium.



Comentários