FINA limita participação de atletas transgénero em provas femininas

  •  
  •  
  •  

A Federação Internacional de Natação (FINA) aprovou, este domingo, uma nova política de integração de género, criando uma “categoria aberta” que impede os transexuais de competirem nas provas de elite feminina, caso não tenham completado a transição até aos 12 anos.

“Temos que proteger os direitos dos nossos atletas de competir, mas também temos que proteger a justiça competitiva nos nossos eventos, especialmente a categoria feminina nas competições da FINA”, declarou o presidente do organismo, Husain Al-Musallam.

Durante os mundiais de Budapeste, a FINA assumiu a determinação em ser “o primeiro desporto” a criar uma “categoria aberta”, sendo que, para o efeito, vai ser formado um grupo de trabalho que “nos próximos seis meses” vai delinear os moldes da mesma.

As medidas, aprovadas com 71% dos votos dos 152 membros no congresso extraordinário, exigem que os competidores transgénero tenham completado a sua transição antes dos 12 anos para poderem competir nas provas femininas.

“A FINA acolherá sempre todos os atletas. A criação de uma categoria aberta significará que todos terão a oportunidade de competir a um nível de elite. Isso nunca foi feito antes, portanto a FINA terá que liderar o caminho. Eu quero que todos os atletas se sintam incluídos para podermos desenvolver ideias durante este processo”, desafiou o dirigente.

Estas decisões surgem quando a natação está a ser abalada pela controvérsia que envolve a nadadora transgénero norte-americana Lia Thomas, estudante de 22 anos que nasceu homem e que se tornou recentemente na primeira nadadora transgénero a ganhar um título nacional universitário.

Os seus detratores acreditam que, tendo competido como homem no passado, Lia Thomas beneficiou de uma vantagem fisiológica que classificam como injusta.

Mais de 10 mil leitores não dispensam o Chlorus.
Fazer jornalismo de Natação tem um custo e por isso
precisamos de si para continuar a trabalhar e fazer melhor.
Torne-se nosso assinante por apenas 10€ por ano e
tenha acesso a todos os conteúdos Premium.



Comentários