Fim da equipa sénior do Foca, equipa lança comunicado e critica Direção

2
  •  
  •  
  •  

É o fim da equipa sénior do Foca – Clube de Natação de Felgueiras que, por mérito próprio, garantiu, na última temporada, a permanência na 1.ª Divisão. Os jogadores lançaram um comunicado a explicar a situação, deixando duras críticas à Direção do clube.

Comunicado da equipa sénior do Foca – Clube de Natação de Felgueiras:

No seguimento dos recentes acontecimentos no seio do Foca – Clube de Natação de Felgueiras, mais concretamente na sua equipa sénior masculina de Polo aquático, que culminaram na extinção da mesma, e por sentirmos a necessidade de clarificar não só os locais, mas também todos os amantes desta modalidade, vimos através deste comunicado relatar todos os acontecimentos que precipitaram esta tomada de decisão, decisão essa (que importa salientar) da inteira responsabilidade da direção.

Assim sendo, e para ajudar na interpretação dos factos, aqui deixamos alguns acontecimentos cronologicamente organizados que precederam a recriação deste escalão:

Ano 2008 – Polo aquático do Foca deixa de contar com o escalão sénior;

2008/2013 – Existem apenas escalões de formação no Foca ativos;

2013 – Recriação da equipa sénior.

No ano de 2013, e após convite realizado por parte de alguns atletas da formação aos ex-atletas aquando da realização do torneio anual Pedro Guilherme (torneio que junta anualmente atletas e ex-atletas do Polo Aquático do Foca em homenagem ao falecido treinador do clube), surge a oportunidade de contar novamente com escalão sénior.

Contrariando um futuro que se previa desportivamente pouco risonho na primeira época, consequência do facto da equipa ser constituída em grande parte por atletas que não competiam há largos anos, conseguimos atingir o play off de acesso à primeira divisão do Campeonato Nacional de Seniores e os 4ºs de final da taça de Portugal.

Nos anos seguintes, e motivados pelos bons resultados atingidos na primeira época, decidimos (em conjunto com a equipa técnica) aumentar o tempo e intensidade de treino.

Eis que surgiu uma questão que parecia inicialmente intransponível: como conseguirá uma equipa 100% amadora, constituída unicamente por trabalhadores e estudantes, conciliar vida profissional com um aumento do tempo de treino, com 3h de treino diário 5x por semana (e muitos sábados e feriados) mais jogos e tempo de deslocações?

Decidimos que a união seria a nossa maior força e a vontade de vencer e representar não só o clube como também Concelho começaram a trazer resultados.

Uma vez mais contra todas as expectativas começamos a somar vitórias atrás de vitórias não só dentro de água como também fora dela. Nas bancadas as pessoas começaram a aparecer de forma massiva e em Felgueiras (re)começou-se a respirar desportos aquáticos.

Como consagração dos vários anos de dedicação, na época de 2015/2016 o Concelho de Felgueiras assistiu a algo inédito no que toca a desportos coletivos: pela primeira vez na história desportiva do Concelho uma equipa sagra-se campeã nacional de seniores masculino da 2ª Divisão. Consequentemente outro acontecimento longínquo para a cidade (e inédito para o clube) é alcançado: uma equipa sénior masculina a competir na 1ª Divisão do respetivo campeonato.

De salientar neste ponto o TOTAL alheamento dos responsáveis autárquicos em relação a estas conquistas. Em nenhum momento a Câmara, na pessoa do seu Presidente ou de qualquer um dos seus Vereadores, se fez representar nos jogos do escalão sénior. A mesma esteve presente, a convite do clube, num jogo de consagração dos campeões realizado entre atletas e ex-atletas do próprio clube, tendo estado presente o Sr. Vereador do Desporto.

Ultrapassada a qualificação para a 1ª Divisão surgiu uma nova definição de objetivos com a permanência como pano de fundo.

A tarefa não se adivinhava fácil, mais ainda quando os nossos recursos eram sobejamente inferiores aos dos adversários, mas com um esforço coletivo, tanto da parte da equipa técnica como nossa, a mesma foi atingida.

De salientar, e não menos importante, que ao longo de todo este percurso tanto a equipa sénior como os demais escalões sempre forneceram atletas para as diversas seleções nacionais, entre elas a Seleção Nacional Sénior (Seleção Principal).

Depois desta extensa, mas necessária introdução, é chegado o momento de explicarmos o que desde cedo nos foi afastando, atletas do escalão sénior, da direção do clube.

Durante este último ano em que atingimos pela primeira vez na história do clube a almejada manutenção na 1ª Divisão do Campeonato Nacional de Seniores, e já após várias tentativas de diálogo com a direção do clube (foram inúmeras as solicitações para reuniões por parte dos atletas, solicitações que nunca obtiveram resposta) decidimos suspender os pagamentos da mensalidade.

Esta medida não foi tomada de ânimo leve e foi consequência de muito diálogo e ponderação entre todos e surge da necessidade de tratamento igualitário entre todas as modalidades no seio do clube.

Eis algumas questões sobre as quais gostaríamos que a população felgueirense e os responsáveis autárquicos e do clube se questionassem:

Como pode um plantel admitir o pagamento religioso de uma mensalidade de 28€ quando uma parte das deslocações para os jogos têm que ser asseguradas pelos próprios atletas do clube?

Como pode um plantel ficar impávido e sereno quando as deslocações para os jogos parte das vezes são planeadas com pouco tempo de antecedência à realização dos mesmos, independentemente da sua importância ou a que distância ficam os complexos desportivos dos adversários, como foi o caso da deslocação à piscina do Sporting Clube de Portugal na cidade de Lisboa?

Como pode um plantel, ainda para mais quando trouxe ao clube e ao Concelho sucesso desportivo inédito até então, ficar indiferente a todas estas (e outras) situações, quando as demais modalidades do clube têm um tratamento COMPLETAMENTE diferente, sendo estas presenteadas com preparações e estágios em unidades hoteleiras bem planificadas pela direção, quando a nós até um mísero autocarro nos falta, tendo já acontecido de nos ter-mos que equipar em andamento e dentro do autocarro, porque o transporte camarário se atrasou?

Consequência deste protesto, no início de Julho a direção do Foca decidiu convocar-nos para uma reunião. Nenhum de nós fugiu às suas responsabilidades, com o intuito não só de viabilizar a continuidade da equipa, mas também para darmos a conhecer estes e muitos outros motivos que levaram à suspensão do pagamento, comparecendo à reunião.

Durante a reunião, com vista à regularização da situação dos pagamentos em débito (débito esse no total de 1500€) e com o intuito de garantir verbas para a época 2017/2018, propusemos (nós atletas) arranjar patrocínios que viabilizassem não só o futuro financeiro do escalão sénior mas também que ajudassem a melhorar as condições que nos eram dadas sendo a nossa única exigência a entrega de um simples documento, por parte da direção, que nos permitisse obter esses patrocínios de forma legal e comprovadamente com o conhecimento desta.

O referido documento nunca nos foi entregue e, na Quinta Feira da última semana de Julho, com a data limite para inscrição da equipa na Sexta-Feira (dia a seguir), a direção faz um ultimato: ou o dinheiro (1500€ totalidade da dívida) aparecia no dia a seguir à reunião, ou a equipa não seria inscrita.

Mesmo perante esta situação intolerante, em que a direção se manteve em silêncio durante um mês e decidiu dar-nos 24h para arranjar o dinheiro, e sempre com o intuito de viabilizar a equipa, nós informamos que já tínhamos um patrocínio que assegurava o total da dívida, bastando para isso que a direção entregasse o referido documento para poder oficializar o patrocínio legalmente.

Perante esta solução arranjada por nós, a direção manteve-se intransigente, acabando por não inscrever a equipa e terminando assim com a equipa Sénior de Polo Aquático do Foca, deitando por terra todo o esforço a que durante anos nos submetemos para trazer este sucesso inédito tanto para o Concelho como para o Clube.

Perante esta tomada de posição, as conclusões são óbvias e vêm só confirmar o que desde sempre suspeitamos:

A direção do Foca – Clube Natação de Felgueiras não quer que o Polo Aquático continue a fazer parte do seu role de modalidades, confirmando assim que a constante ausência de membros da direção nos nossos jogos (raramente a direção estava representada) não se devia à alegada falta de tempo (que só acontecia na nossa modalidade) mas sim que esta direção, assim como também os responsáveis camarários, não se identificam com uma das modalidades de maior sucesso da história desportiva felgueirense.

Como nota final, queremos deixar um agradecimento especial à nossa equipa técnica, em especial ao nosso treinador André Pires, por apesar das constantes adversidades sempre terem conseguido motivar-nos e nos terem ajudado a alcançar o sucesso desportivo…OLLÉÉÉÉÉÉ FOCA, OLÉ FOCA FOCA FOCA OLÉ !!!”.

Mais de 10 mil leitores não dispensam o Chlorus.
Fazer jornalismo de Natação tem um custo e por isso
precisamos de si para continuar a trabalhar e fazer melhor.
Torne-se nosso assinante por apenas 12€ por ano e
tenha acesso a todos os conteúdos Premium.



Comentários