Dr. Sintaro Yokochi, um caso raro da natação em Portugal

  •  
  •  
  •  

Veio para secretário-técnico por três meses e ficou por cá até aos dias de hoje.

Ao vasculhar junto do meu baú de memórias, encontrei umas que merecem ser lembradas e contadas.

O mister veio para Portugal em 1958, faz precisamente agora 60 anos, que vive em Portugal, nunca se sentiu estrangeiro por cá, sempre, dizia alto e bom som, sempre viveu em Portugal, aqui casou e constituiu família.

Em 1958, o Sport Algés e Dafundo, na intenção dar uma reviravolta à sua estruturação ao seu departamento da natação, solicitou à Embaixada do Japão, por intermédio do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que necessitava de um treinador de bom nível técnico, para orientação da sua equipa principal (Hermano Patroni era na altura o seu principal responsável). A escolha no Dr. Sintaro Yokochi, era na altura o capitão da seleção da Universidade de Waredw, que tinha acabado de participar no Jogos Asiáticos, disputado na China.

Em princípio, deveria ficar em Algés, apenas por três meses, se bom que este prazo pudesse ser prorrogado por dois anos, caso ambas as partes chegassem a acordo. Estudava na Universalidade de Wasedav, onde se formou em Economia e Política, na altura estava selecionado para representar o Japão, nos Jogos Olímpicos de Roma.

Quando chegou a Algés precisamente, nesse dia se realizava um festival de natação, integrado nas festividades do seu Aniversário, onde as instalações da Piscina Fernando Sacadura, em Algés, estavam engalanadas para os festejos, repleta de imenso público amante da modalidade, fanáticos pela modalidade da natação, polo aquático e saltos de Alto Voo (neste festival também estive presente a representar o Belenenses).

Foi uma verdadeira loucura de espanto, foi quando foi solicitada a sua presença no cais da piscina a figura do técnico Sintaro Yokochi, para executar uma demonstração do seu nado, numa distância de 100 metros livres, vendo o grande entusiasmo do público presente, cedeu.

Então assistiu-se a um facto inédito na altura. Com uma técnica de crol de excelente qualidade e sem se esforçar muito, um nado suave mais técnico do que força.

Assim, que foi conhecido o tempo, as instalações da piscina quase que vinham abaixo, porque o cronómetro apontava ter sido executada uma marca nunca vista nas piscinas em Portugal, menos de 58 segundos.

O mister ficou logo deslumbrado com esta receção.

Serviu como rececionistas, na altura, Dr. Francisco Alves Presidente do clube em festa, o seu vice-presidente Joaquim Pepe, o diretor do departamento da natação do clube Afonso Gonçalves, assim com o treinador responsável, na altura Hermano Patroni, e outros dirigentes do clube.

Yokochi, sempre bem humorado, que era sempre o seu feitio, dizia que existia um grupo muito numeroso de nadadores muito prometedores, a sua adaptação compensava com o espírito de trabalho, que era ótimo, com os nadadores a cumprirem os treinos que ele mandava executar, enquanto outros não conseguiam cumprir as suas tarefas fugiam para as bancadas. Muitas vezes, ele dizia que nesta fase do treino, era a brincar, mas treinava-se muito a sério.

Dizia o mister que os nadadores e nadadoras eram de uma dedicação e de um verdadeiro espírito de amador, como cumpriam as suas tarefas do treino.

Ele muitas vezes, que tinha saudades dos tempos do Fernando Madeira, Eduardo Barbeiro, Eurico Sergey, que tinham praticamente abandonado os treinos, tendo colocado ponto final na natação de competição, mas com a sua chegada ao cais da piscina, recomeçaram a treinar, onde foram muito úteis a equipa.

Quando Algés não tinha competidores à altura

Era mais que evidente, era o clube que oferecia melhores condições aos seus nadadores e com a vinda de novo técnico, que proporcionou novo método de treino, assim, como no ensino, tudo se modificou, para bem da natação, não só do Algés como a nível nacional.

Muitas eram as vezes que se pronunciava sobre os recordes nacionais, existiam algumas marcas que eram mais antigas que as idades de alguns nadadores…

Algés era um clube único em Portugal, os seus nadadores eram a base da Seleção Nacional. Foi este o objetivo que decidiu ficar em Portugal, com intenção de preparar os nadadores para participarem no Jogos Olímpicos de Tóquio.

Nesta fase da época, muita tinta se gastou pela polémica,  entre Algés e Federação Portuguesa de Natação, tendo a entidade máxima entregue a preparação dos nadadores ao então treinador adjunto da equipa do Algés, Manuel Ferreira. A ordem tinha vindo da Direção Geral Desportos, para este acompanhar os nadadores aos Jogos, Selecionador e treinador principal. Até, Dr. Francisco Alves, Presidente do Algés, moveu uma campanha ao Presidente da Federação Portuguesa de Natação, Dr. José Maria Antunes.

Até, que a direção do Algés mandou o seu treinador por conta do clube aos Jogos. Já no Japão, Yokochi estava no seu ambiente, com certeza lá mexeu a sua influência e lá conseguiu a autorização para ser admitido oficialmente. A partir daqui passou a treinar o Toni Bessone Basto e Vítor Fonseca.

No próximo capítulo: Yokochi no Benfica

Mais de 10 mil leitores não dispensam o Chlorus.
Fazer jornalismo de Natação tem um custo e por isso
precisamos de si para continuar a trabalhar e fazer melhor.
Torne-se nosso assinante por apenas 12€ por ano e
tenha acesso a todos os conteúdos Premium.



Comentários